Xiaomi: é boa? vale a pena comprar? Conheça a “Apple da China”

Xiaomi: a empresa conhecida como “Apple da China” se tornou uma das grandes marcas e fabricantes de smartphones do mundo. A razão de seu sucesso? Produtos muito baratos e potentes, que entregam performances muito superiores aos concorrentes na mesma faixa de preço. Com pouquíssimo tempo de mercado, a empresa se tornou a melhor opção para quem quer comprar celular Android. E promete crescer ainda mais.

“Futuramente, vamos falar da Xiaomi do mesmo jeito que falamos do Google e da Apple”, afirmou o brasileiro Hugo Barra, ex-vice-presidente e porta-voz internacional da companhia. O trabalho é para chegar nesse patamar: a empresa vem crescendo, aumentando suas capacidades para conseguir derrotar Samsung, Apple, Motorola e quem mais estiver no topo do mercado de smartphones.

A empresa ainda não completou 9 anos de existência, tendo sido fundada em abril de 2010 por 8 sócios (o número da sorte chinês), todos eles vindos de grandes empresas como Google, Motorola e Microsoft. Todos eles interessados em montar uma nova empresa inovadora, que ganhasse dinheiro de maneira diferente das outras fabricantes de gadgets. E fizeram, tiveram tanto sucesso que a empresa vale quase R$ 130 bilhões hoje.

Xiaomi é boa? E confiável?

A primeira pergunta que a gente vai responder é se a Xiaomi é uma marca boa e confiável. Por aqui, ela é pequena, sobretudo perto de gigantes como Samsung e Motorola, o que levanta dúvidas sobre ela. Contudo, em países como China, Taiwan, Malásia, Singapura, Índia e Indonésia, ela é gigante – líder de mercado em vários desses países -, vendendo mais de 60 milhões de celulares por ano.

Na verdade, a Xiaomi é uma fabricante comum de smartphones, que usa o Android como sistema operacional – então todos os aplicativos que são compatíveis com os celulares Samsung e Motorola também funcionam nos aparelhos Xiaomi. A única diferença é que a Xiaomi usa uma versão própria chamada MIUI, que tem uma aparência de iOS (sistema operacional da Apple) e várias melhorias.

Muita da desconfiança em relação a empresa chinesa reside no fato de que a empresa vende celulares muito, muito baratos (fora a reputação ruim que os aparelhos chineses possuem no Brasil). Para entender como ela faz isso, precisamos entender como as fabricantes de celulares ganham dinheiro:

A maioria das fabricantes de celular ganha dinheiro vendendo o celular por mais do que ele custa. Ou seja, a Motorola vende seu celular por R$ 1.000, mas o celular custou apenas R$ 600 para montar. Esses R$ 400 viram lucro para a empresa (ok, tem os impostos, então o lucro é muito menor). Esse usuário não dá mais dinheiro para a Motorola até que resolva mudar de aparelho, o que faz com que a empresa tenha o incentivo de fazer a famosa “obsolescência programada”.

Já a Apple ganha dinheiro de duas maneiras diferentes, uma vez que ganha na venda dos aparelhos e através de seus serviços, como a loja de aplicativos e o serviço de músicas da empresa. Com isso, a Apple ganha duas vezes: na “vinda” do usuário para a plataforma dela (onde ela ganha uma bela grana, já que seus aparelhos são os mais caros) e de pouquinho em pouquinho durante o período em que ele continua usando um aparelho da Apple.

Neste ponto, a Xiaomi copia parte do que a Apple faz, mas não a outra.  A empresa limita a margem de lucro da venda dos aparelhos em apenas 5% (a Apple tem margens maiores que 60%), o que faz com que os celulares fiquem muito mais baratos e acessíveis para os usuários. Com isso, a empresa consegue vender mais aparelhos, formar uma grande quantidade de consumidores que passam a consumir os serviços da empresa, baixar aplicativos na loja deles e gastar dinheiro por mais tempo. Assim, a empresa ganha dinheiro de pouco em pouco e consegue fazer que seus aparelhos fiquem realmente baratos.

A maioria dos serviços da Xiaomi não estão disponíveis para os brasileiros, sendo exclusividade dos chineses, coisas como a loja de aplicativos deles (na China, não existe “Google Play Store” e os outros serviços do Google). Contudo, há algumas coisas que os usuários brasileiros podem comprar, como melhorias estéticas para a MIUI. Na prática, os celulares da Xiaomi fora da China são excelentes opções por serem muito baratos e contarem com todos os serviços do Google.

Onde comprar celular da Xiaomi?

Fortemente associado com a China, encontrar um smartphone Xiaomi no Brasil não é tarefa das mais simples. Nenhuma loja de operadora vende os celulares da marca, já que ela não tem operação oficial no Brasil. Ela até chegou a ter, esnobou as tradicionais operadoras (decidiu que só venderia o celular pela internet) e acabou pouco tempo depois, alegando falta de mercado para seus aparelhos. A verdade é que ela só trouxe os modelos de entrada e estes não foram o suficiente para atrair muitos fãs para ela.

Portanto, para adquirir um smartphone da Xiaomi, você tem duas opções: ou importar, ou comprar de um importador. Entre as duas, recomendo fortemente que você compre de um importador ao invés de fazer isso sozinho – tem muito menos dor de cabeça, chega muito mais rápido, não tem o risco de ser tributado pela receita federal e caso o aparelho apresente problemas, a troca é muito mais fácil. Por mais que isso acarrete em pagar alguns reais a mais, isso pode te economizar muito tempo, dinheiro e garantir que a experiência seja muito melhor.

Você consegue encontrar importadores que já trouxeram os celulares através das lojas que oferecem marketplace para os usuários, como o Mercado Livre e a Amazon, sendo que eu recomendo esta última (afinal, ela sempre intervém decisivamente para o usuário e é uma empresa bastante confiável). Lá, você encontra dezenas de vendedores e os melhores preços para os aparelhos da Xiaomi.

Vale a pena comprar celular da Xiaomi?

Sabendo que os aparelhos são bons e a empresa é confiável e que dá para comprar facilmente no Brasil, vale a pena pegar um celular da Xiaomi? Para ser curto e grosso: sim, vale. Para mim, esta é a melhor opção no momento por conta do poder do celular e do preço. A companhia tem uma excelente linha de celulares que agradam a todos os gostos e bolsos no momento – a grande maioria pode ser adquirida no Brasil facilmente (tanto que a Xiaomi é a empresa que mais vende eletrônicos na Amazon!).

No momento, a Xiaomi é a fabricante com os aparelhos de preço mais justo. Ela supera os outros fabricantes chineses e, principalmente, as grandes marcas conhecidas pelo público nacional – como a Samsung e a Motorola. Nâo que essas marcas não tenham bons aparelhos, mas certamente a Xiaomi tem um aparelho no mesmo preço com especificações melhores e que deverá durar mais tempo.

Qual celular comprar?

Entre os aparelhos da Xiaomi, destaco quatro smartphones que acredito serem as melhores opções:

Xiaomi MiA2 Lite

O aparelho da linha de entrada da companhia, usando o Android puro (Android One) ao invés de usar a MIUI. O aparelho é bastante poderoso (tem 4 GB de RAM e processador Snapdragon 625), conta com 2 câmeras traseiras (uma de 12 megapixels e outra de 5) que trabalham em conjunto com uma inteligência artificial para tirar as melhores fotos possíveis. Vende por cerca de R$ 1.100, mas é possível encontrar por até R$ 990 na Amazon.

Xiaomi Mi A2

Essa é a versão maior do Mi A2 lite, também contando com o Android Puro. Ele é levemente mais poderoso que a sua versão menor, com Snapdragon 660 ao invés de 625. A tela é maior e ele também é levemente mais fino, dado que a bateria é menor que a versão lite. Custa cerca de R$ 1.200, mas você também consegue encontrar boas pechinchas na Amazon.

Pocophone F1

Esse aqui eu acredito ser o melhor smartphone disponível no mercado no momento – tanto que fizemos um review completo sobre ele recentemente. Ele tem um poderoso Snapdragon 845 e 6 GB de RAM. Ele é tão poderoso ue a Xiaomi teve que incluir um sistema de resfriamento líquido, o que melhorou bastante seu desempenho eliminando as famosas “superaquecidas”. Ele tem uma tela de 6,18 megapixels, uma câmera de selfie frontal de 20 megapixels, duas câmeras traseiras de 12 e 5 megapixels que usam inteligência artificial para tirar as melhores fotos possíveis e ainda grava em 4K.

Além disso, ele tem uma bateria de 4000 miliamperes (uma bateria grande) e conta com entrada para fone de ouvido, coisa rara em celulares com essa potência atualmente. O mais interessante, porém, é que ele tem desempenho de top de linha com preço de intermediário: na Amazon é possível encontrar ele por cerca de R$ 2.000, chegando a encontrar até por R$ 1.700 em alguns casos. É o meu celular e é espetacular. Recomendadíssimo.

Mi 8

Por fim, deixo aqui o Mi 8, que tem configurações muito parecidas com o Pocophone – apenas levemente melhores. Também são 6 GB de RAM e um Snapdragon 845, mas as duas câmeras traseiras são de 12 megapixels, um incremento frente seu primo (elas também gravam em 4K). A diferença é que um celular com “cara” de mais bem-feito que o Pocophone F1. As diferenças de hardware são poucas, mas o preço é bastante mais alto: na Amazon, você o encontra por cerca de R$ 2.700. Ele provavelmente é um dos smartphones mais bonitos que você vai encontrar no mercado.

Outros gadgets

Além de ser uma excelente fabricante de Smartphones, a Xiaomi também produz vários outros tipos de aparelhos eletrônicos na China (alguns deles podem ser adquiridos no Brasil). A Xiaomi produz computadores, notebooks, aparelhos de IoT (Internet das Coisas), aspiradores, monitores de pressão sanguínea, purificadores de ar, drones, roteadores, televisões, câmeras, homespeakers e até mesmo os famosos patinetes elétricos! Deixo aqui algumas sugestões de produtos que você pode olhar da empresa e que são muito interessantes: