Qual o melhor filme dos X-Men? Confira no nosso ranking

A saga X-Men acabou nos cinemas. E não acabou de um jeito muito bom, já que recebemos o péssimo Fênix Negra para encerrar a história dos mutantes na Fox. Digo na Fox, pois agora quem vai comandar os X-Men é a Marvel – que faz filmes muito muito bons (e melhores) -, o que abre espaço para um reboot que os inclua no universo Marvel. É o que eu espero.

Abaixo, listamos todos os filmes produzidos pela Fox na ordem do PIOR para o melhor:

X-Men Origens: Wolverine

As expectativas para os filmes que contavam as origens dos X-Men eram altas. Tanto que resolveram começar pelo personagem mais icônico de toda a série: Wolverine. Deu tudo errado e eles acabaram fazendo não apenas o pior filme da saga, mas provavelmente um dos piores filmes de toda a história – e desistiram totalmente com a ideia dos outros filmes. O enredo para ser ruim falta muito, mas muito e os personagens são desinteressantes a ponto de você ter vontade de parar de assistir o filme em qualquer momento.

A única decisão certa nesse filme é colocar o Ryan Reynolds para fazer o papel do Deadpool, o “mercenário com uma boca”. Contudo, ainda resolveram fechar a boca dele no final do filme (literalmente, selaram a boca do personagem). É um desastre, um dos piores filmes de super-herói juntamente com Esquadrão Suicida. Assista se você estiver querendo saber EXATAMENTE o que não fazer.

X-Men: Fênix Negra

A segunda tentativa de fazer um filme com a saga Fênix Negra conseguiu ser um fracasso maior que o primeiro, o que é uma proeza inacreditável.  A começar pela completa falta de uma história, apenas uma enorme sequência de cenas de ação (algumas bem feitas, outras tão desnecessárias que acabam ficando ruins) e diálogos mal escritos que não avançam a trama. Os vilões principais nem nome possuem.

O filme conta com UM bom momento (olha o spoiler) que é quando resolvem matar a Mística, interpretada por Jennifer Lawrence – que se tornou o maior pé no saco destes filmes novos, assumindo o nome de Raven e uma importância bizarra na história que nunca teve. Aliás, esse momento confirma que esses filmes são um reboot, já que a Mística está viva nos primeiros filmes (que se passam na atualidade). Ao menos este é um fracasso em bilheteria, que é o que o filme merece.

X-Men: Apocalypse

Outro filme ruim e recente dos X-Men é o Apocalypse, que tem o vilão mais poderoso dos quadrinhos e desenhos. E aí eles resolveram estragar o personagem, a começar por um físico que não tem nada a ver com o personagem – além de mudar todos os poderes dele. É um desastre com ele e com os cavaleiros do apocalipse, seus principais “soldados” no filme e nos quadrinhos. Os heróis também estão totalmente sem carisma, liderados por uma Mística completamente fora do personagem que ela é nos quadrinhos.

O filme acaba de uma maneira tão caótica que também não faz o menor sentido. O que salva o filme são algumas cenas decentes com o Mercúrio – como aquela que ele salva todo mundo na mansão que está explodindo – e com o Magneto. É ruim, mas tem coisas piores no universo que esse filme.

Wolverine Imortal

Mais uma tentativa de fazer um filme “solo” do Wolverine e mais uma vez, falharam. Ao menos é um filme na direção correta, depois do fracasso que foi o X-Men Origens. Esse aqui se passa depois do Confronto Final, que é mais um filme ruim da série (os bons estão começando a chegar, te juro) e novamente tem antagonistas fracos e sem personalidade.

As ideias de tirar o filme dos Estados Unidos e de fortalecer a ligação do Wolverine com o Japão são boas, mas a execução é um pouco ruim neste filme. O Logan aqui é um sujeito muito atormentado, ainda por causa dos efeitos do filme anterior. Com o passar do tempo, eles iriam esquecer esse tipo de tormento e deixar o personagem mais centrado, ou seja, ignorando boa parte da franquia.

X-Men: Confronto Final

Talvez o ÚLTIMO filme ruim dessa lista, o Confronto Final acaba virando um filme ambicioso demais para sua má execução – e isso que o faz ficar ruim. Ele é o primeiro a tentar introduzir a Fênix Negra no universo dos X-Men, mas fracassa ao passar boa parte do filme preocupado com outras questões, como uma possível cura mutante que já tinha dado o que falar. Aliás, uma “cura mutante” já tinha sido o assunto do filme anterior, desnecessário colocar isso neste filme também.

Aqui nasce um exagero na figura do Wolverine, que se tornou um protagonista maior nos filmes do que era nos desenhos e quadrinhos, o que acaba estragando um pouco a experiência – nos dois primeiros filmes, ele já está no centro de tudo, só que com menos exagero. Com isso, ele deixa de ser um pouco o anti-herói que todo mundo gosta e passa a ser um herói mais tradicional.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Mais um filme focado no Wolverine, mas acho que com um excelente efeito. Daqui em diante, todos os filmes dos X-Men são bons, embora alguns sejam melhores que outros. A ideia aqui era adaptar uma das histórias mais populares dos quadrinhos e deu muito certo. Neste filme, os mutantes são caçados pelos sentinelas e a solução é enviar o Wolverine ao passado para impedir a criação delas – só que apenas sua mente é capaz de viajar. Ficou muito bom, juntando tanto os mutantes dos filmes originais quanto do reboot.

O filme não apenas é uma história interessante com boas cenas de ação, mas cria coisas muito interessantes para o universo dos X-Men, como a introdução do Mercúrio e suas cenas. Além do Wolverine, Magneto e Charles Xavier estão sensacionais neste filme, que marca o rompimento definitivo entre os dois. O ponto fraco do filme, porém, é a importância que ele dá para a Mística de Jennifer Lawrence, que está completamente fora do que ela é nos quadrinhos. Sem esse aumento de relevância brutal, que se dá muito neste filme, provavelmente Dias de Um Futuro Esquecido seria um dos melhores filmes da franquia.

X-Men: Primeira Classe

O reboot da franquia em 2011 foi MUITO bom e deu um grande ar novo para os X-Men por algum tempo. Depois de anos girando em torno da imagem do Wolverine, Primeira Classe leva a história para o surgimento dos X-Men, para a amizade entre Charles Xavier e Magneto, que são apresentados como personagens muito distintos do que se transformariam nos primeiros filmes. Todos os personagens estão muito bem caracterizados e a trama é muito interessante, construindo antagonistas para os próximos filmes.

Provavelmente o grande problema deste filme é criar a Mística de Jennifer Lawrence. Até assinar o contrato, ela era uma atriz desconhecida, mas o estouro dela fez com que o personagem se transformasse em algo completamente diferente do que é nos quadrinhos – juntando responsabilidades que, tradicionalmente, sempre foram do Cyclops. Fora isso, tudo perfeito neste filme.

Deadpool 2

Deadpool foi uma surpresa e tanto, e a sequência evolui em tudo que o primeiro filme faz de bom. Ryan Reynolds, que encarnou o papel tão bem, volta ainda mais desbocado e engraçado que no primeiro. Contudo, talvez ele esteja “menos adulto” que o primeiro filme – embora isso possa ser apenas uma impressão. Fato é que a Fox fez até uma versão especial do filme para “menores de idade”, chamada de “Era uma vez um Deadpool”, em que reduzia bastante o conteúdo adulto.

Este filme é ainda mais “X-Men” que o primeiro. A começar pelo fato de que Deadpool encontra um personagem super relevante da franquia: Cable, o filho do Cyclops e Jean Grey que veio do futuro salvar a humanidade. Além disso, monta sua própria versão de um time de mutantes, a X-Force (que conta com Dominó e um personagem interpretado por Brad Pitt!). O vilão final acaba por sendo Juggernaut, o poderoso (e gigante) irmão de Charles Xavier. É X-Men para maiores.

X-Men

O primeiro filme da série em 2001. Esquecemos como ele, na verdade, alterou todo o cinema mostrando a viabilidade de filmes de super-herói definitivamente – gênero que teve uma pequena alta com os filmes do Batman do Tim Burton, mas estava escanteado. X-Men introduz os principais personagens e conta com excelentes atuações por parte de Ian McKellen (Magneto), Patrick Stewart (Charles Xavier) e Hugh Jackman (imortalizado no papel de Wolverine).

A história não é muito complexa – gira em torno da Vampira, Wolverine e do Magneto ter uma máquina que transforma todos em mutantes -, mas faz uma introdução muito boa para os principais personagens. O filme é muito bem dirigido e conta com momentos sensacionais, como a transformação do senador anti-mutante em um mutante. Aliás, muita gente aprendeu o termo “mutante” com este filme!  Abriu espaço para filmes como o do Homem-Aranha, que seria lançado pela Sony em breve.

Logan

A última tentativa da Fox em fazer um filme solo do Wolverine é a melhor de todas, disparado – tanto é que o filme foi super premiado e indicado até o Oscar por melhor roteiro adaptado, a primeira vez que um filme de super-herói recebe essa honraria. E o roteiro, de fato, é o ponto alto deste filme, que joga o Wolverine, agora um motorista de Uber, em um mundo completamente hostil aos mutantes, com a obrigação de cuidar de um Charles Xavier já com 90 anos.

A relação dos dois é forte e comovente. Logan cumpre seu trabalho com carinho pelo seu mentor, agora com Alzheimer e com sérios problemas para controlar seus poderes. Neste momento, encontra uma nova mutante, chamada Laura com os mesmos poderes que ele, além de serem muito parecidos fisicamente. O filme então segue para “libertar” Logan e Xavier de seus papéis no mundo e abrir caminho para uma nova geração de mutantes, que fariam um filme novo, agora cancelado por conta da compra da Fox pela Disney. É impossível não sentir uma pontada no coração com um plot twist no meio do filme e não chorar no final.

Deadpool

Se Logan é um filme denso, trágico, com uma trama complicada, Deadpool é o exato oposto. Ryan Reynolds é o melhor nome possível para interpretar o personagem falastrão, que ficou sensacional (quebrando a quarta parede, conversando com o espectador, narrando o próprio filme e falando de coisas da realidade). É um filme que surpreendeu tanto todo mundo, a ponto de ser a maior bilheteria entre os filmes 18+ da história. Os personagens, o vilão, a motivação e até mesmo a utilização do lado CDF do Colossus neste filme ficaram sensacionais.

Deadpool entrega uma experiência hilária no universo X-Men, completamente diferente de tudo que havia sido feito anteriormente – e ele entende muito bem que é exatamente isso, deixando claro a compreensão em algumas das primeiras palavras do filme: “seu namorado disse que ia ser mais um filme de Super-Herói, não é?”. O filme não perde a oportunidade de deixar claro o seu desprezo pela primeira versão de Deadpool de Ryan Reynolds e arrumar isso com uma experiência completamente fiel ao personagem. Deadpool é daqueles filmes que abrem novos caminhos, inclusive tendo sido fundamental na decisão de fazer Logan para maiores de idade.

X2

Se o primeiro X-Men revolucionou o mundo dos filmes de super-herói, o segundo conseguiu fazer a melhor adaptação até agora do grupo. A trama pega o final do primeiro filme e consegue evoluir, colocando seus algozes agora como aliados para impedir algo pior, um general que quer acabar com todos os mutantes e pretende usar Charles Xavier para isso.

O filme conta muito bem as origens de seu principal mutante, Wolverine, possui batalhas super interessantes envolvendo os principais mutantes da franquia e termina de um jeito extremamente satisfatório, abrindo espaço para uma continuação com a saga Fênix (que, descobríamos depois, seria um fracasso total). Antes do universo Marvel nascer, os X-Men conseguiram construir a possibilidade sequência fantástica de filmes, embora tenha jogado fora depois deste. X2 é um dos melhores filmes de super-herói até hoje e vale muito a pena ser visto até hoje!