Os melhores jogos de Super Nintendo

Se você teve uma infância com videogames, com certeza chegou a ter um Super Nintendo, o melhor da época! Por isso, até hoje muita gente resolve jogar os maravilhosos jogos que marcaram época no videogame. Então fizemos uma lista com os 12 melhores jogos de Super Nintendo para você encontrar e jogar! São HORAS e HORAS de diversão garantidas com cada um deles.

E caso você queira jogar esses jogos legalmente, compre o SNES Mini, eu recomendo! Comprei um e foi uma das melhores compras que eu fiz nos últimos anos. Me valeu horas de diversão antes mesmo de colocar novos jogos no console. Inclusive, a maioria dos jogos mencionados aqui estão no SNES Mini, apenas 3 não estão (embora um deles seja o melhor RPG da história)!

Eu estou deixando o link aqui para você comprar, ou você também clicar abaixo. É caro, mas vale a pena.

 

Vamos a lista!

Top Gear

Quem não se lembra da maravilhosa musiquinha de entrada desse jogo de corrida? Ele certamente é um dos melhores jogos de corrida já feitos na história (e tem uma trilha sonora muito, mas muito, boa). Neste jogo, você corre em vários países ao redor do mundo (tem até o Brasil), para provar quem é o mais rápido.

Há quatro modelos de carro para se escolher no começo. O vermelho é o mais rápido, mas também é o que mais consome combustível, enquanto o branco (escolha de 9 entre 10 pessoas que já jogaram o jogo) é o com melhor consumo de combustível e o que tem melhor aceleração. O jogo é simplesmente viciante e conta com vários efeitos muito legais (algumas corridas são feitas durante a noite, por exemplo, com algumas delas incluindo aí o por do sol e o amanhecer!).

O que pouca gente sabe é que o jogo foi um sucesso praticamente só aqui no Brasil. Isso justifica sua ausência no SNES Mini, que teve os jogos escolhidos pensando em uma audiência americana e japonesa. Mas sem dúvidas ele é um JOGAÇO que merece ser experimentado por você.

Sunset Riders

O segundo jogo de nossa lista é um shooter lateral de faroeste, feito pela Konami. Uma adaptação de um arcade famosíssimo da época, Sunset Riders é um dos jogos mais eletrizantes de todo o Super Nintendo. Você escolhe entre 4 cowboys e parte para combater vários criminosos em diversas fases muito bem pensadas.

O ritmo de jogo é eletrizante e é basicamente feito para jogar em duas pessoas. Se não, o jogo fica bastante difícil. É uma adaptação de arcade, então ele é feito para comer suas fichas. O jogo requer reflexos rápidos e um pouco de memória também (quando você lembra onde estão aqueles inimigos que lançam bombas, o jogo fica muito mais fácil).

Uma coisa que me chamou atenção é que o jogo conta com VOZES reais. Foi a primeira vez que eu ouvi uma voz humana em um jogo de videogame. E o mais impressionante é que as qualidades do som do jogo não param aí. O jogo inteiro é feito com uma trilha sensacional. Vale muito a pena!

Donkey Kong Country

Donkey Kong era um dos mascotes esquecidos da japonesa Nintendo, mais de uma década sem jogos, quando a empresa resolveu que a britânica Rare poderia fazer uma releitura. E o que a Rare fez foi tão espetacular e diferente do que já existia, a ponto de que Donkey Kong Country se tornasse um dos jogos mais vendidos da história do Super Nintendo.

A começar pelos gráficos: estavam MUITO longe de tudo que foi feito anteriormente. Eram tão fenomenais para a época, mas tão fenomenais, que o presidente da Nintendo of America, Minoru Arakawa, achou que o jogo era um protótipo para o Nintendo 64 – supostamente o videogame mais poderoso da empresa, a ser lançado 2 anos depois – e não um jogo de Super Nintendo. E ainda parabenizou pelos bons gráficos, avisando para o pessoal que gostaria que “todos os jogos tivessem essa aparência tão boa”.

A jogabilidade também é sensacional – o pessoal da Rare garantiu que o jogo tivesse uma jogabilidade estupenda, rápida e cheia de desafios diferentes. Os dois personagens principais são cativantes e muito diferentes entre eles. São várias fases muito interessantes, mundos diferentes e chefões desafiadores. Vale a pena jogar (tem no SNES Mini) tanto ele quanto suas duas continuações.

Super Mario RPG

O que acontece quando duas das maiores empresas de videogames do mundo se juntam? Uma obra prima! Super Mario RPG é o carisma dos personagens da Nintendo com o expertise de RPGs da Square (na época, apenas Square). O jogo é baseado em turnos, mas conta com bastante interação por parte do jogador, que pode aumentar o dano causado (e diminuir o sofrido) com rápidas interações.

A história começa novamente com a Princesa Peach raptada pelo Bowser, mas um evento misterioso acaba interrompendo o resgate por parte de Mario, jogando os nossos protagonistas. Bowser perde o seu castelo e Mario parte para salvar o mundo, se juntando a vários personagens durante o caminho (inclusive Peach e o próprio Bowser).

Os gráficos também chamam muita atenção para a época, com a primeira aparição do Mario em 3D que eu conheço (saiu antes do Mario 64). A música também é excelente e o ritmo é muito, muito, bom. A rivalidade entre Mario e Bowser é cômica e imperdível! É outro jogo que está lá no SNES Mini, para aproveitar.


Super Castlevania IV

Um dos jogos mais esquecidos da minha lista (embora esteja disponível no SNES Mini), Super Castlevania IV é um definidor do gênero. Os gráficos são bons, mas tem algumas coisas a desejar que dão um pouco de cara de NES (eu não gosto do salto do personagem principal, por exemplo), mas isso não elimina o quão fantástico é esse jogo em muitos níveis.

A começar pela história, que retrata mais um episódio da caça da família Belmont ao Dracula. Esse jogo lhe permite entrar no castelo do Temer, digo, Dracula, e derrotar todos os tipos de vilões do mundo das trevas que ele tem para jogar em ti. O jogo é desafiador e leva você direto para o ambiente do vilão. Não é a toa que ela acabou virando uma série animada da Netflix.

E essa ambientação é sensacional. De fato, entrar no castelo do Dracula neste jogo é uma coisa de louco, dos esqueletos até os fantasmas, tudo tem lugar certo e momento para aparecer e batalhar. É um jogo que não te cansa, só te joga para frente. Só perde para o Castlevania: Symphony of the Night, que é de Playstation 1.

Mega Man X

Mega Man foi um dos nomes mais fortes do Nintendinho, então é claro que a Capcom iria trazer essa franquia para o Super Nintendo. Só que ao invés de trazê-la na versão “normal”, eles criaram uma nova franquia de sucesso, o Mega Man X! Aproveitando do poder do Super Nintendo, o X traz tudo que os jogos de NES tinham, só que melhor e com muito mais qualidade.

São 8 fases completamente diferentes, em que você enfrenta 8 robôs diferentes para proteger a humanidade e absorve o poder de cada um deles. Essas fases tem uma temática diferente cada uma e os poderes absorvidos são todos muito diferentes entre si. É um pouco “pedra, papel ou tesoura” já que cada poder absorvido é bastante eficaz contra o próximo vilão. Tudo isso enquanto você procura power-ups que fazem o Mega Man ficar cada vez mais forte.

Depois de vencidos os 8 vilões iniciais, você embarca em uma invasão ao castelo do verdadeiro inimigo, Sigma. Lá, você deve enfrentar novamente os 8 robôs – mas agora você está muito mais poderoso e os despacha com facilidade – e novos chefões mais desafiadores ainda, antes de enfrentar Sigma em uma última batalha épica. É sensacional, não deixe de jogar. O Mega Man X 1 tem no SNES Mini, mas o 2 e o 3 (também bons, mas não tão bons) você só encontra fora.

Super Street Fighter II: The New Challengers

Outro jogo da Capcom, Street Fighter II foi um fenômeno mundial quando foi lançado, tanto que deu origem a praticamente uma dezena de versões diferentes para o Super Nintendo (e se você somar todas elas, provavelmente foi o jogo que mais vendeu no console). A melhor de todas é a The New Challengers, que conta com o maior número de lutadores.

Tem tanto os clássicos, como Ryu e Blanka, quanto os vilões das primeiras versões, Bison e Sagat, e novidades, tipo Fei Long e Dee Jay. Ele é feito principalmente para jogar em grupo, contra os amigos – quem nunca teve um torneio de Street Fighter na infância? É talvez o melhor jogo de luta que eu já joguei na vida, acho muito superior a qualquer Tekken ou Street Fighter moderno. Tanto que é o Hadouken que entrou na cultura moderna e não qualquer outra coisa.

No SNES Mini americano existe a versão Turbo, sem os personagens novos – infelizmente, só a japonesa conta com a The New Challengers, coisa que eu não entendo até hoje.  E você não quer aprender a falar japonês só para jogar esse jogo, né?

Mario Kart

Já são uns 9 jogos do Mario Kart, mas quem começou tudo isso foi esse aí. Pela primeira vez, controlamos os mais amados personagens da Nintendo em uma série de corridas contra nossos adversários, em quatro “copas” de diferentes corridas.

Esse jogo começou com várias tradições da franquia: temos os itens para atacar adversários, como bananas e cascos (verdes e vermelhos), temos a primeira versão da Rainbow Road, temos corridas temáticas e até o famoso modo de batalha. O interessante é poder controlar 8 personagens clássicos dos jogos da Nintendo, incluindo aí Bowser e Donkey Kong (que estava esquecido e foi revivido logo depois).

Os gráficos são ruins se você comparar com outros jogos de corrida do Super Nintendo, mas é MUITO divertido e cativante, as corridas são muito bacanas – além de dar uma sensação de imersão 3D fantástica para a época.  Marcou época e se tornou um clássico indispensável. Óbvio, ele está lá no SNES Mini.

Super Mario World

O primeiro jogo de Super Nintendo, que veio junto com o videogame. Para muitos, a primeira obra-prima do console. Dirigido por Shigeru Miyamoto para ser o cartão de visita do console, pode-se dizer que ele conseguiu isso e com louvor. Tanto que o jogo é constantemente lembrado como um dos melhores da história por muita gente – e com razão.

Primeiro, Super Mario World te faz pensar que se trata de um jogo simples, com os primeiros níveis mais interessados em lhe ensinar a dinâmica básica do jogo que outra coisa. Você descobre os primeiros power-ups, conhece o Yoshi… e quando percebe, está em jogo ultra complexo, com diversos níveis que não necessariamente são lineares.

O jogo tem no total 96 saídas diferentes de nível, muitos delas indo para níveis bônus. Não existe uma única rota até o Bowser, onde seu objetivo é resgatar a princesa novamente. É capaz que você jogue esse jogo por anos e mesmo assim descubra uma coisa nova aqui e ali. É fantástico, na minha opinião, o melhor jogo do Mario já feito (e obviamente, está no SNES Mini).

Chrono Trigger

E falando em SNES Mini, chegamos aqui na maior ausência dele – Chrono Trigger. Quero dizer que deixei os três melhores jogos de Super Nintendo para o final. Daqui para frente, esses três merecem o título de “melhor jogo de Super Nintendo”. E Chrono Trigger é o único dos três que não é feito pela dona do console, a própria Nintendo. Ele é uma coprodução da Square com a Enix, na época em que as duas eram empresas separadas.

A Square na época era responsável pela criação de Final Fantasy e a Enix criava Dragon Quest – com Akira Toriyama, criador de Dragon Ball. Foi o pai de Goku que criou Chrono, Lucca, Marle, Magus, Frog e os outros tantos personagens que embalam esse RPG de viagem no tempo. A ideia é visitar várias eras diferentes e salvar o mundo do apocalipse – o acordar de uma entidade poderosa chamada Lavos.

Derrotado Lavos, você pode iniciar o jogo novamente no New Game+, que lhe permite uma série de novos finais (são 13 no total), a depender de certas escolhas que você toma durante o jogo. A história é cativante, os personagens também e o sistema de magias e habilidades é muito inovador e bacana! É um jogo que eu não canso de jogar, mesmo tendo passado por todos os finais mais de uma vez ao longo desses anos.

The Legend of Zelda: A Link to the Past

Outro clássico instantâneo, esse talvez seja o melhor jogo da franquia juntamente com o Ocarina of Time, de Nintendo 64. Disponível no SNES Mini, ele te garante horas e horas de diversão e exploração em uma espécie de mundo aberto – coisa rara para a geração de 16 bits. A história é a mesma de sempre: Ganon quer dominar o mundo, tem uma parte da Triforce e você precisa derrotá-lo, com a ajuda de Zelda.

A Link to The Past traz muitas coisas da franquia pela primeira vez, como a Master Sword, a habilidade de atacar monstros ao redor e de correr. Além disso, traz também a existência de dois mundos: o normal e o sagrado, que se tornou o mundo das trevas por causa de Ganon. Viajar entre esses dois mundos é vital para conseguir completar o jogo.

São horas de jogo desvendando o segredo dos dois mundos – caçando itens que podem lhe tornar mais poderoso – como os pedaços de coração -, por exemplo, e enfrentando as mais diferentes dungeons. É um jogo muito bom, capaz de te prender por horas e dias se você quiser. Tanto que é costumeiramente chamado de um dos melhores jogos de toda história. Certamente um dos mais influentes.

Super Metroid

E chegamos ao melhor jogo de Super Nintendo na minha opinião, Super Metroid! Mais um side scroller, mas um MAGNÍFICO jogo, que eu ouso dizer que é o melhor da história – definitivamente o melhor “Metroidvania” já feito. O estilo de jogo, a temática, a ambientação, a música… tudo que está nesse jogo é perfeito de uma forma ou de outra, muito bem feito pela equipe de Gunpei Yokoi.

Primeira coisa que o jogo faz depois do prólogo é quebrar sua expectativa – ele te faz andar para a esquerda, ao invés de ir para a direita. Depois, faz você andar por horas dentro dos labirintos do planeta atrás de itens que vão lhe deixando mais poderoso e vão lhe ajudando a abrir novos lugares e derrotar novos inimigos. Muitas vezes, inclusive, te fazendo visitar lugares que você já passou para abrir novas portas e enfrentar novos desafios.

Você assume Samus Aran, a caçadora de recompensas mais poderosa da galáxia, enquanto vai destruindo os piratas do espaço, que querem usar uma raça de criaturas como arma – os famosos Metroids. Com uma infinidade de armas e novos itens, Samus cresce em poder durante o jogo. Se no começo você está indefesa e precisa fugir de certos monstros, no fim você é uma máquina de matar. Vale a pena comprar um SNES Mini só para experimentar esse clássico, essa obra-prima.